Psicologia, Xenofobia

SOFRI XENOFOBIA, E AGORA?

A xenofobia tem sido um problema que vem sendo cada vez mais discutido, mas o que podemos fazer do ponto de vista emocional quando sofremos xenofobia?

1. Busque conversar com amigas que já tenham passado por situações parecidas. Falar sobre o que aconteceu, como está se sentindo e sobre possíveis estratégias de enfrentameto pode ajudar a aliviar o mal estar, a lidar com a situação e a nos sentirmos menos sozinhas, impotentes e vulneráveis.

2. Lembre-se que a culpa não é sua. É fundamental perceber que o problema não está em nós, nas nossas roupas, no nosso corpo, em nosso modo de falar, ou na nossa nacionalidade. Em uma sociedade que culpabiliza a mulher e desresponsabiliza o homem é bastante comum que uma das nossas primeiras reações seja sentir culpa, procurar motivos ou pensar que poderíamos ter evitado a situação, mesmo que conscientemente nós saibamos que a culpa não é da vítima. Se libertar desses sentimentos é fundamental para que possamos superar essa situação.

3. Lembre-se que nem todas as pessoas são xenófobas. Infelizmente vivenciar situações de xenofobia tem sido algo cada vez mais comum entre imigrantes, mas isso não quer dizer que todas as pessoas estão contra nós. Vivenciar constantemente situações de xenofobia pode nos levar a fazer generalizações, a criar resistência a todas as pessoas daquele país e a sua cultura, e a viver num mal estar constante. É importante estarmos atentas para que isto não atrapalhe o nosso bem estar e nem os nossos objetivos.

4. Lembre-se dos pontos positivos do país em que está morando. Vivenciar situações de xenofobia pode desencadear falta de esperança, desânimo, frustração e até uma mudança generalizada na maneira como nós vemos aquele país. Relembrar e enxergar os pontos positivos pode nos ajudar a sair desse ciclo.

5. Busque ajuda profissional. Vivenciar situações de violência, de qualquer tipo, pode desencadear processos a longo prazo, e estando em outro país e inserida numa outra cultura pode ser um pouco mais difícil de enfrentá-los. Contar com o apoio de uma profissional capaz de entender e acolher nossas demandas pode ser essencial para ressignificar algumas experiências negativas vividas no exterior.

6. Se conseguir denuncie. Denunciar é um processo muito delicado porque implica reviver a situação de violência através do relato às autoridades, e nem sempre estamos fortalecidas para isso. Por outro lado, denunciar pode nos ajudar a nos sentirmos menos impotentes diante da situação que vivenciamos, e pode trazer algum conforto saber que o agressor poderá ser punido e que outras mulheres não irão vivenciar a mesma situação que nós.